Notícias

06/06/2019

Como acontece o processo de alfabetização?

Muitas dúvidas surgem quando falamos de alfabetização. Ainda mais quando comparamos a maneira como isso era feito quando nós, mães, pais e professores, fomos alfabetizados.

Aceitar a ideia de não dizer que faltam letras na escrita da criança e ainda concordar com o que ela escreveu, mesmo que esteja errado, pode causar angústia. É comum surgirem questões como: “Como a criança aprenderá o certo se eu não falar?” ou “Como direi que está certo, se está errado? Tenho que mentir?”.

Então, vamos lá! O que será que podemos fazer para ajudar nossos pequenos?

Podemos começar pela autoestima, que é fundamental. É por meio dela que a criança se sente segura para arriscar. Escrever é como andar de bicicleta: só aprendemos se tentamos. Inserir a criança no mundo letrado, onde lemos histórias, placas e rótulos, por exemplo, faz com que ela perceba que também pode se comunicar por meio de letras.

Outro aspecto essencial é ouvir a criança. Entender o porquê ela coloca determinadas letras e argumentar. Quando pedimos para os alunos escreverem formiguinha e elefante, eles costumam colocar pouquíssimas letras para formiguinha e várias para elefante. Ao questioná-los sobre a diferença da quantidade de letras, uma resposta possível é: “A formiguinha é pequenininha, então ela tem poucas letras. O elefante é grande, então ele tem muitas letras”.

As crianças perguntam o tempo todo. Quando são colocadas em situações nas quais precisam escrever, algumas nos questionam: “Está certo?” Nesse caso, devolvemos a pergunta: “O que você acha?” ou ainda “Leia com o dedinho e veja se está bom”.

Na sala de aula, quando fazem atividades de escrita em grupo, os alunos costumam trocar ideias sobre qual letra usar. Eles usam argumentos, buscando convencer o outro até entrarem em um acordo. Seus argumentos giram em torno de palavras estáveis, como o nome dos amigos, a marca do iogurte ou do achocolatado que eles comem ou do super-herói de que gostam.

Em vez de dizermos se a escrita está correta, preferimos parabenizar a criança pela tentativa, a fim de passar confiança. Demonstramos que sabemos que ela deu o seu melhor e merece reconhecimento, e acreditamos que ela vai se aprimorar cada vez mais.

Assim, a alfabetização acontece de forma leve e significativa. O aluno vai estabelecendo relações, seja na escola, em casa, no shopping, na leitura de um livro ou em um aplicativo que solicita que ele localize a primeira letra de algum objeto, por exemplo. Ele é desafiado a pensar e, a cada nova conquista, percebe que é capaz!

Daniela Machado
Professora do Pré II.